01 maio 2011

Motivos que me fazem um completo desastre na cozinha

Desde o berço: Eu não sei como se criam crianças hoje em dia (o tempo de crianças aqui em casa acabou quando meu irmão chegou bêbado de uma briga numa festa de 15 anos), mas o fato é que nunca fui encorajado a chegar muito perto do fogão. Pelo contrário, era só um "sai daí menino, volta para o seu videogame, vai se queimar!" (ah, meu Master System). As meninas no meu tempo eram permitidas ficar mais perto dos fogões e do preparo das coisas, mas acho que elas só faziam isso esperando a invenção da Twitcam, estamos falando da minha infância, então estamos falando dos 4 Trapalhões vivos.

Essa coisa de que "menino não precisa cozinhar" me levou a falta de prática, o que me levou para o segundo item:

Medidas filosóficas: "Vó, como se faz esse suflê?" "ah, é farinha, ovo, sal...". "Mas quanto de cada coisa, vó?" "Ah, você vai vendo". A minha avó (a e sua) passou 60 anos "vendo" a quantidade certa, enquanto eu, que nunca pilotei um fogão, vou com esses ingredientes achar a proporção de uma massa nuclear que gerará um buraco negro e me faria ganhar o Nobel da Física, se não fosse o Nobel e o mundo tragado por tal buraco. Vamos combinar que cozinhar significa colocar coisas no fogo e tirar qando parecer bom. E esse 'parecer bom' é algo que só é alcançado após muita meditação zen. O motivo desse post foi porque fui fazer um Cremogema e estava lá seguindo com louvor a guia da caixinha, quando achei que estava muito ralo e coloquei mais do pó. Então de repente a mistura foi engrossando (em 10 segundos, juro) e bom, estou aqui saboreando um Flan

Uma pitada de sal? Pitada de quem? Meus dedos são bem maiores que o dedinho da vovó. Afinal, qual é a pitada padrão? Voltamos para a era em que as medidas mudavam quando mudavam o rei? Preciso pedir os dedos da Elizabeth II? Ainda sonho com um livro de receitas feito por cientistas, com medidas exatas de cada coisa. 23,45 g de farinha de trigo; 12 mol de NaCl (vulgo 'Sal')

Sadia: Em 1996 finalmente eu, meu pai e meu irmão morávamos sozinhos. Meu pai trabalhava e meu irmão fazia a escola em tempo integral. Durante a manhã, no alto dos meus 11 anos de idade, eu permaneci sozinho até o tempo do meu pai arrumar uma doméstica. Aí no primeiro dia ele me mostrou uma caixa no freezer e mandou fazer 11h. Gente, sério, que mágica foi abrir, colocar no forninho e tirar depois de 40 minutos o strogonoff de frango da Sadia, prontinho e delicioso. E depois a Lasanha, e depois o Yakisoba, e depois... Ad Infinitum. Só não pedi a Sadia em casamento porque ela não sabia fazer boquete

2 comentários:

Carol Rodrigues disse...

Ok
Quase 5 da manhã e eu to rindo disso

Seria bem feio de minha parte dizer q me identifico, pq por ser menina, eu devia ter passado algum tempo a mais perto do fogão e aprendendo essas medidas milagrosas
Mas o fato é que, eu também passava muito tempo no meu videogame =P

Mas esses desastres culináricos (sic) se resolvem com uma simples ação: discar pra um delivery
Ooooou, para os mais precavidos, comprar aquelas comidas mágicas que ja saem prontas depois de alguns minutos no microondas

;-)

Maeve Rêgo disse...

vc devia escrever mais, Diogo, rs


Boa sorte nas comidas ^^